"In your brown eyes

I walked away

In your brown eyes

I couldn't stay"

Segunda-feira, 21 de Dezembro de 2009

Only By The Night

Hey!

uhuhu tantas leitoras +.+

que fofinhas *-* Ainda bem que gostaram do trailer e isso, não estavamos com paciência para isso - pelo menos eu, que estava com uma dor de cabeça horrivel x.x

Mas pronto, aqui fica o primeiro capitulo, nada de especial. Os primeiros capitulos são quase sempre assim, por isso, enjoy it anyway!

Beijinho para todas.

Ly@

 

 

 

1º Capitulo
Kimberly observava – uma vez mais – ao pormenor todo o seu quarto em tons de violeta. Ia trocar a pequena e sorumbática vila onde tinha crescido e vivido por uma grande e desconhecida cidade. Onde uma larga rua se tornava num grande mundo.
Agarrou na sua mala de viagem e sorriu ao relembrar todas as suas recordações, todos os momentos ali passados; bons, maus, não importava, eram dela e de mais ninguém. Seriam sempre recordados na sua memória e coração.
- Kimberly! – A fina voz de Grace soou demasiado emotiva.
- Já estou a caminho! – Retribuiu mais alto para que pudesse ouvir.
E, foi então, que abandonou o seu pequeno refúgio, fechando-o delicadamente e, afastando-se deste.
Desceu as escadas e, deixou cair o saco no soalho de madeira, fazendo o barulho miudinho ecoar pela casa.
- Nem acredito que te vais embora! – As mãos de Grace, sua mãe, foram automaticamente ao encontro do seu rosto, impulsionando-o para a frente, dando-lhe oportunidade de o encher de beijos. – Liga-me todos os dias, está bem? – Apertou-a contra si. – Nada de falar com estranhos e de levar rapazes para o quarto. Quero saber das tuas notas e esquece isso das cantorias, estamos entendidas?
A morena anuiu com a cabeça, embora contrariada, e forçou um sorriso amarelo.
- Já posso ir? – Soprou, meio estarrecida.
- Claro, o teu pai está no carro à tua espera. – Apontou para o veículo vermelho que se encontrava no outro lado da estrada. – Boa viagem, querida.
- Até depois, mãe. – Beijou-lhe a testa, agarrou no saco e seguiu para junto do pai, que segurava o volante com firmeza, controlando a vontade de impedir a mais nova de seguir para longe de casa.
Mal Kim se sentou ao seu lado e fechou a porta, Marcus seguiu caminho, conduzindo para Hamburg. Não conseguia pronunciar-se, estava enfadado com a situação. Teria de deixar a sua pequena – grande – criança e deixá-la por sua conta. Largando-a no vasto e diverso mundo da universidade. Oh, como a vida era dura e cruel.
- Nada de bebidas alcoólicas, podes já ter dezoito anos mas continuo a ser teu pai e fazes como eu dizer, está bem? – Falou pela primeira vez, sem desgrudar os olhos da estrada.
- Sim, chefe. – Ela gozou, ajeitando-se no banco e mudando de estação de rádio.
Ele franziu a testa e mirou-a pelo canto do olho.
- Quanto a rapazes, compra gás pimenta para que te possas defender, eles são muito perigosos.
- Pai! – Ela repreendeu sem paciência alguma. – Vou mudar de cidade, não de país!
- Nunca se sabe. – Virou pela rotunda. – O mundo de hoje em dia é muito inconstante.
Kim bufou aborrecida. Era extremamente difícil ter uns pais que não lhe dessem qualquer liberdade para fazer o que queria. Tudo – ou quase tudo – o que fazia ou decidia tinha de ser aprovado pelos seus progenitores.
Fora muito difícil convencê-los da sua mudança para Hamburg. Tivera mesmo de se meter de joelhos perante eles suplicando que a deixassem ir. Depois de muita insistência, milagrosamente, Grace e Marcus acabaram por ceder. Deixando a sua querida e adorada filha partir para um mundo cruel, longe da calmaria e da tranquilidade da pequena vila onde residiam desde sempre.
Apesar de gostar muito do sítio onde morara até então, por vezes Kim sentia-se aborrecida com tanta monotonia. A sua vida sempre fora, casa – escola; escola – casa. Nem sequer era livre para fazer aquilo de que mais gostava: cantar.
Cantar sempre fora o seu sonho, desde que se lembrava. Era sempre elogiada por os seus colegas e poucos amigos pela sua bela e doce voz. No entanto os seus pais sempre foram contra, pois diziam que cantar não era carreira para ninguém e que se ela levasse aquilo para a frente não teria futuro nenhum. Mas ela sabia que eles estavam redondamente enganados, e não estava disposta a desistir.
- Chegámos - O seu pai informou num tom descontente.
O carro parou à entrada da estação de comboios, onde Kimberly iria embarcar num deles.
Num pulo, saiu do carro de seu pai e dirigiu-se ao porta bagagens onde este já se encontrava a descarregar as suas malas.
- Porta-te bem. – Marcus advertiu, depositando um beijo na testa da morena.
Kim revirou os olhos e prendeu o lábio inferior com o dente, para que não pudesse ripostar logo ali. Somente abanou a cabeça e despediu-se do pai, acabando por entrar num dos muitos comboios, mas que só aquele lhe poderia dar a liberdade e diversão total.
Guardou a mala junto dos seus pés e acomodou-se no assento do comboio. Captou fotografias mentais da imensa vegetação e pequenas moradias que rodeavam a estação e levou os headphones aos ouvidos, esquecendo e deixando de ouvir tudo o resto que a rodeava. Fechou os olhos e ficou ali, a ser embalada pelo ziguezague do transporte. Adormeceu.
Mal uma mão pousou no seu ombro, a rapariga abriu os olhos de relance e virou a cara, assustada com aquele toque. Um jovem estava inclinado sob si com um sorriso característicos nos lábios.
- O que foi? – Kim indagou a medo. Tirou de imediato os headphones dos ouvidos e notou a sua respiração ofegante.
- Calma, miúda. Só para te avisar que já estás em Hamburg.
- Como é que sabes que vou para Hamburg? – Alteou o sobrolho.
- Tipo… é a estação terminal. – Fez um esgar.
Kimberly sentiu as suas bochechas ganharem uma tonalidade escarlate. Estava a ser demasiado ridícula.
- Amh… obrigada. – Agarrou, atafulhada, nas suas coisas e levou-as para o ombro.

 


22 comentários:
De Juaaniinhaa_Kaauliitz a 14 de Fevereiro de 2010 às 11:02
Olaa Olaa!!

Mas que pais meu deus, eu acho que não aguentava!! xD

Ui agora que esta fora da vista dos pais pode fazer aquilo que quiser, como por exemplo, cantar!!

Quem será que era o rapaz do comboio?!! Que a acordou?!!

Quero mais sim?! Para isso vou ver mais ate já

jokinhas gradnes =)*


De *LoucaPorKaulitz* a 23 de Dezembro de 2009 às 16:49
Bem meninas, eu nao conheço a rii mas sim a chuchu da Melanie! ^^,
ainda nao posso ainda dizer grande coisa esta no inicio ne? >.<
escrevem mesmo bem! *O*
mais mais uu'
+___+
beijos <#


De AnèèLiinha'w a 23 de Dezembro de 2009 às 13:55
olaaa

queru mais simm
nao è por nada mas os pais dela....
Image posta rapidinhuu simm

beijinhosss


De M a 23 de Dezembro de 2009 às 00:49
Estou a gostar muito *-*
Postem mais, siim ?
Beijinhos


De M a 23 de Dezembro de 2009 às 00:51
Era o Tom, certo ?


De a.nee a 22 de Dezembro de 2009 às 20:59
Hey!!
Ena os meus pais às vezes sao overprotected mas os dela abusam PAHAHAH pobrezinha.
Eu adorei o capitulo mas como dee calcular em toda a sua iensidão a nivel de comprimeto (foi grande) a pare final foi a que mais curiosidade me despertou.
Se a minha intuição não me falha o magano do 'calma, miuda' é aguem conhecido coff coff, só uma desconfiança e é proavel que esteja redondamente enganada como sempre xDD

mais

bjinhozz


De a.nee a 22 de Dezembro de 2009 às 21:01
xiii cheio de erros, eu peço desculpa mas a cabeça hoje está em água totalmente :/

*é de
*imensidão
*comprimento
*alguém
*provável

quase meia-duzia estou optima para escrever hoje --'


De AnnyR. a 22 de Dezembro de 2009 às 16:09
Esse rapaz só por acaso não era o Tom ? :b
Reconheci logo aquela parte que a Melanie tinha postado no blog. Aha. :3
Adoro a escrita deste capítulo. Adoro mesmo. E a história parece-me muito interessante.
Já estou mesmo a ver que vou ficar apanhadinha por esta fic. Espero que postem com frquência, e parabéns pelo bom trabalho ^^


De KellysPimenta a 22 de Dezembro de 2009 às 15:16
eheh claro que eu tinha que vir ler a fic da priminha xd
opa gostei do primeiro capitulo e do trailer que fizeram
*.*
beijinhos


De iogurta; ♥! a 22 de Dezembro de 2009 às 11:50
Olá!
Gostei do cap.
Os pais dela fazem-me lembrar os meus -.-
Era o Tom, certo?!
Quero maisImage
BjãO<3


De Tanah a 22 de Dezembro de 2009 às 01:02
Aprovado.
Força.
postem o resto para chegar a alguma conclusao. Era o tom?


De Bruxinha a 22 de Dezembro de 2009 às 00:12
Gostei, foi cómica no fim xD
coitada, ter pais assim é sempre um pouco chato mas também é bom em alguns casos...
enfim, fico a espera dos próximos capítulos´

bj


Segue o exemplo ^^

Autoras:

Pesquisar:

 

Recente:

Only By The Night

Only by the night

Only by the night

Only By The Night

Only By The Night

Only By The Night

Only By The Night

Only By The Night

Only By The Night

Only By The Night

Arquivos:

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Fic's:

Only by the night

Marie

Blood

Quando eu crescer II